O fantástico poder dos juros sobre juros




No ensino fundamental as escolas apresentam aos alunos as equações dos juros simples e juros compostos e aplicam uma série de exercícios para se calcular taxas de juros, valor presente, valor futuro, número de parcelamentos, etc. e convenhamos, assunto nada agradável neste período da vida estudantil.

No ensino superior, complementam as informações sobre  juros dizendo que o famigerado sistema de juros sobre juros pode ser chamado também de capitalização composta e novamente é dada uma série de exercícios de aplicação.

Se percebe como é incrível que neste longo período, da adolescência até meados da faculdade, ninguém enfatiza com veemência que, conforme já dizia Einstein, os juros compostos permitem uma confiável e sistemática acumulação de riqueza. Poucos professores destacam a importância dos jovens se beneficiarem imediatamente do que está escancaradamente expresso na simples fórmula dos juros compostos. Isto pode estar ocorrendo pela pura falta de conhecimento dos professores e dos pais de assuntos relacionados a educação financeira.

As poucas pessoas que decidem trilhar o caminho da independência financeira devem perseguir o efeito dos juros compostos para potencializar os investimentos. Isto é realizado aumentando o valor do montante principal através da reaplicação do rendimento recebido. Deve ficar claro que se for sacado o rendimento, sempre se receberá o mesmo rendimento no mês seguinte e portanto a ênfase estará sendo dada aos juros simples.
 
Não é raro ouvir pessoas reclamarem dos bancos e credores por determinarem os valores das dívidas com base no sistema de juros sobre juros. Elas acham que este sistema foi criado para beneficiar uma classe de pessoas que só pensam em ganhar dinheiro de maneira fácil. Esta é uma visão deturpada e unilateral a respeito do sistema. É fato que os juros compostos causam um enorme dano para os devedores e constituem um mecanismo justo para criar riqueza aos credores. Cabe às pessoas escolherem o lado que pretendem ficar.

O sistema de capitalização composta exige do investidor o sacrifícios de não gastar o dinheiro no presente e esperar com paciência pelo crescimento da bola de neve para depois de alguns anos ele se beneficiar da geração de riqueza. Se as pessoas tivessem a convicção do poder multiplicador dos juros compostos quando jovens, estariam em situação bem mais confortável hoje. Se fosse obrigatório o ensino da educação financeira nas escolas, o Brasil se tornaria, no longo prazo, um país "exponencialmente" melhor.



16 comentários:

  1. juros composto a nosso favor e fantastico rsrsrsrs. Aprendiz

    ResponderExcluir
  2. Olá.

    Acho uma beleza. Há coisa melhor que ver o dinheiro trabalhando para você?

    Bons investimentos

    ResponderExcluir
  3. Bom texto G65.

    O dinheiro trabalhando para você...

    Impossível falar essa frase e não evocar à memória Robert Toru Kiyosaki

    Abraços.

    P.S.: Gostaria de sua opinião a respeito do meu último post.
    http://guardiaodomobral.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Guardião.

      Realmente esta frese nos remete sempre ao livro "Pai Rico, Pai Pobre". Vale a pena lê-lo, fica a dica.
      É uma pena que poucos brasileiros conheçam esta frase e aplique, no cotidiano, a verdade inserida nela.

      Sempre leio os teus posts e dos outros blogueiros em minha lista. Sempre que possível publico um comentário.

      Abraço.

      Excluir
    2. G65

      excelente comparação. A teoria do juros compostos é chata, enfadonha e um saco. A prática deles é linda e maravilhosa. Dá uma checada no meu blog. Já te add lá. traderlusitano.blogspot.com.br

      Excluir
    3. Olá Lusitano,

      A aplicação prática exige uma boa disciplina e paciência.

      Já está adicionado ao meu Blogroll, vamos acompanhar a caminhada.

      Bons investimentos.

      Excluir
  4. Excelente post!
    Parabéns pelo blog.
    Estou também te citando na minha lista de links no meu blog http://defendaseudinheiro.com.br !
    Abraço e sucesso em 2014.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Vilmar.

      Gosto muito do teu blog, já o acompanho a um bom tempo.

      Abraço.

      Excluir
  5. Oi G65. Acompanho seu blog há um tempo e estou iniciando um novo projeto. Você poderia adicionar o meu link na sua lista de blogs? (www.itradesys.com.br)

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá iTradeSys,

      link adicionado.

      Bons investimentos.

      Excluir
  6. Muito bom o Post, essa semana mesmo estava conversando com amigos que durante o colégio a didática sobre matemática que não explora o tema das finanças pessoais, a educação deveria focar mais nesse tema desde o começo de nossas vidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fábio.

      Vou ainda mais longe, penso que já no ensino fundamental deveríamos ter também disciplinas voltadas para o empreendedorismo. Muitas pessoas são "empreendedoras natas", mas sem orientações e conhecimentos devidos. Isto as levam a percorrer caminhos muito mais difíceis para se empreender.

      Excluir
  7. Basta ter um pouco de educação financeira para não sermos explorados. Em vez de pegar dinheiro emprestado, vamos colocar dinheiro para os outros emprestarem. hehehe.

    http://futuroricofeliz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. FRF,

    e que tal pagarmos um salário aos outros e ganharmos 10 vezes mais?
    Dá para fazer, mas não é fácil. Nos exige estudo, dedicação, perseverança, etc.
    Teremos que ser empreendedores.

    Link incluído na lista.

    ResponderExcluir
  9. G65,
    Zapeando pelo seu blog, encontrei esse excelente artigo... sou iniciante nos investimentos, e gostaria de botar na mesa uma dúvida de vários outros iniciantes.
    Nós lemos artigos sobre juros compostos, entendemos a fórmula (tb sou engenheiro)... mas como "operacionalizar" isso?
    Qual o investimento que permite a "reaplicação" com juros compostos?

    Li em outros blogs que seria o TD.
    No entanto, cada vez que eu compro um novo título no TD, as taxas seriam diferentes (e frequentemente menores)... ou seja, não posso comprar mais do mesmo título e com a mesma taxa...

    Por gentileza, poderia comentar?
    Miuto obrigado e novamente parabés pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pãodurista,

      a ideia dos juros compostos nos investimentos é simples:

      a). O investimento te gera uma renda periódica (juro simples).
      b). Você reaplica a renda que gerará mais renda (juro composto).

      Com base nisto você poderá traçar o plano que for mais conveniente, por exemplo:

      Tenho renda dos imóveis em forma de aluguéis e reaplico estes aluguéis em renda fixa. O patrimônio não está crescendo com a renda? E mais, os juros da renda fixa são reaplicados em investimentos de renda fixa.

      Outro exemplo:

      Compro título do TD e reaplico os juros comprando mais títulos. Não importa as taxas dos títulos, o patrimônio está se elevando. Continue reaplicando os juros recebidos comprando mais títulos durante um bom tempo e terá um bom montante no futuro.

      Perceba que não é necessário aplicar a renda obtida de um investimento na mesma categoria. Nunca tive isto como regra. A renda obtida de renda fixa reaplico em renda variável e os dividendos obtidos da renda variável são utilizados para comprar mais papéis.

      O que importa é ver o patrimônio crescendo com a renda, isto é a essência do efeito dos juros compostos.

      Caso você viva utilizando toda a renda obtida, seus investimentos estarão sob o efeito dos juros simples. Seu patrimônio não irá gerar renda maior. Um exemplo disto é viver com a renda de aluguéis, neste caso o investimento está sob o efeito dos juros simples, o "valor" do principal não muda a ponto de gerar mais renda.

      Excluir

Fica a critério do administrador do blog GERAÇÃO 65 excluir comentários considerados ofensivos ou que contenham palavras de baixo calão.

Tecnologia do Blogger.