Trabalhar duro te deixa rico?

By 26.6.17 ,


Minha rotina de trabalho é bem rígida: literalmente pulo da cama às seis horas em ponto, faça sol ou faça chuva; pego o ônibus as sete e inicio minhas atividades trinta minutos depois. Após o período de trabalho, impreterivelmente as dezoito e trinta estou entrando em casa celebrando o início da noite. É uma “beleza” seguir esta rotina ano após ano, durante algumas décadas, não acham? Nessas doze horas e trinta minutos de labuta diária cria se a sensação de que o dia é muito curto para tantas tarefas: discussões, reuniões, decisões, viagens e etc..

O que deve ficar bem claro é que esta rotina, que me consome pelo menos doze horas, é voltada para melhorar o desempenho da empresa que evidentemente tem um ou mais donos. Faço parte de um grupo de dezenas, milhares, bilhões de pessoas que dão o sangue para bater as metas de produção, redução de custo, redução do índice de acidentes, elevação do lucro líquido das empresas e por aí vai. Em essência estamos todos trabalhando em prol de elevar a riqueza dos donos do negócio e em troca recebemos uma pequenina parte da riqueza gerada sob a forma de salário.

A grande maioria das pessoas passa uma vida inteira nesta rotina, recebendo uma remuneração que muitas vezes se perde ao longo do mês por falta de uma mínima gestão das finanças da família. Ao final do ciclo profissional onde passam a ser consideradas “inativas”, elas não têm condições de sobreviverem por conta própria e ficam na dependência do governo e de parentes para garantirem as próprias subsistências. Fato muito triste que já ví acontecer com muitos conhecidos. E os donos das empresas? A maioria fica mais rica com o passar dos anos.

Não vejo nada de errado no que foi dito até o momento, afinal, quem é dono do capital faz com que ele trabalhe a seu favor, aumentando o seu patrimônio e renda. É uma pena que a maioria de nós não cogita estar, um dia, do outro lado da mesa. Acumular de maneira lícita, ao longo dos anos de trabalho, um capital para iniciar o seu negócio próprio ou investir, de maneira inteligente, no mercado financeiro. Este é o passaporte para nos tornarmos empresários e contratarmos pessoas capacitadas para nos ajudar em nosso projeto de acumulo de riqueza em troca de uma fatia desta riqueza gerada. Ou ainda teremos a opção de simplesmente viver da renda proveniente do capital investido ao longo dos anos.

É um belo sonho, mas torná-lo uma meta não é tarefa fácil. A primeira dificuldade é aceitar o fato de que ser empregado pelo resto da vida, sem a destinação correta de uma parcela do salário, não nos levará à riqueza alguma. Durante a vida de empregado temos que estudar e entender o nosso negócio futuro, mas não nos enganemos, estes são estudos secundários, pois durante anos estudamos e nos especializamos em assuntos relacionados ao nosso trabalho, nossa principal fonte de renda até então, afinal, temos que saber como tornar o patrão mais rico. E por fim, depois de alguns anos ou décadas, finalmente poderemos decidir qual rumo tomar: continuar trabalhando, abrir o negócio próprio ou viver de renda.

Se não nascemos em berço de ouro e pretendemos não depender de outros para sobrevivermos quando atingirmos a “melhor idade”, temos que suar a camisa. Enquanto enriquecemos o patrão, temos que traçar os nossos projetos e executá-los para no futuro termos opções de como levar a vida de maneira digna. Já faz alguns anos que estou executando o meu projeto. Em alguns momentos me desanimo, em outros corro demais e cometo erros e atropelos a ponto de ter que revisar o plano. Mas isto é normal, o que importa é não desistir do projeto pessoal. E vocês, como estão em seus projetos?


You Might Also Like

13 comentários

Fica a critério do administrador do blog GERAÇÃO 65 excluir comentários considerados ofensivos ou que contenham palavras de baixo calão.